publicidade
Portal Sucesso
Portal Sucesso no Facebook Portal Sucesso no Instagram Portal Sucesso no Youtube Portal Sucesso no Twitter




Notícias

28 de outubro de 2014

As histórias de Tim Maia e seus amigos famosos

Nessa quinta-feira (30), chegará aos cinemas a história de uma das maiores vozes que o Brasil já teve a oportunidade de ouvir. Talvez seja a maior, se juntarmos a potência vocal ao tamanho avantajado do intérprete. Estamos falando de Tim Maia. No longa que leva o seu nome, ele é interpretado pelos atores Robson Nunes (na juventude) e Babu Santana (na fase adulta). Um dos destaques fica para Cauã Reymond, que interpreta Fabio, personagem inspirado em vários amigos que conviveram com Tim e que leva o nome de seu fiel escudeiro, o cantor Fabio Stella.

Não dá para negar a importância que Tim Maia teve na música brasileira feita a partir da segunda metade do século passado. Foi ele que introduziu nomes como Roberto Carlos e Eduardo Araújo na soul music, que ainda engatinhava no país nos anos 60. A primeira metade da década de 70 foi embalada por uma sucessão de mega hits criados por Tim e que caíam como bombas nas rádios e discotecas. Entre idas e vindas, o sucesso se manteve até o fim dos anos 80.

Outra coisa que não dá para negar é a vocação de Tim Maia para gerar histórias fantásticas. Na voz dele, inúmeras frases se tornaram clássicas. Até a simplista “tudo é tudo e nada é nada”. Algumas dessas histórias são contadas por outros grandes nomes da nossa música, que tiveram a oportunidade de conviver com Tim. Nós mesmos temos uma história interessante com o síndico. Nos anos 90, Tim Maia entrou em contato com a Editora Espetáculo – que publica a Revista SUCESSO! e o Guia Show Business – para anunciar seu contato para shows. Como não gostava muito de intermediários, ele decidiu fornecer o telefone da própria casa e assim publicamos. O resultado da estratégia (palavra que ele adorava usar) não poderia ser outro. Os contratantes se assustavam ao ligar para o vendedor e ser atendido pelo próprio Tim Maia, com seu vozeirão.

Veja agora outras histórias que envolvem amigos famosos:

Roberto Carlos

A amizade entre o Rei e o síndico começou muito antes de ambos se tornarem famosos. Eles se conheceram ainda nos anos 50, quando eram adolescentes apaixonados por rock e começaram a formar as primeiras bandas no subúrbio do Rio de Janeiro (RJ).

Nessas voltas que a vida dá, Tim Maia viajou para os Estados Unidos, aprontou bastante lá, foi preso algumas vezes e deportado para o Brasil cinco anos depois. Quando retornou, quis retomar seu caminho na música e descobriu que alguns de seus amigos tinham se tornado mais famosos. Estamos falando de Erasmo Carlos, Jorge Ben Jor e, principalmente, Roberto Carlos, que tinha virado o Rei da Juventude. Não deu outra: Tim foi atrás de Roberto para tentar uma vaguinha na Jovem Guarda.

Como estava difícil encontrá-lo, Tim Maia bolou um plano infalível. Escondeu-se na garagem do prédio de Roberto e esperou por várias horas até o cantor chegar com sua caranga e a mulher do lado. Ao vê-lo, Tim saiu correndo e chamando por seu antigo amigo. Claro que Roberto Carlos não lhe negou ajuda e chamou-o para subir ao seu apartamento. Chegando lá, ele ganhou algumas roupas novas e a promessa de cantar na Jovem Guarda. Tim cantou, mas não impressionou a garotada. Ainda não era o momento de estourar.

Nelson Motta

O multitarefas Nelson Motta conheceu Tim em 1969, quando o apresentou a Elis Regina. Contudo, a história a seguir só aconteceu nos anos 80. Na época, Nelson era dono da boate Noites Cariocas, localizada no Morro da Urca. Amigo de Tim, ele bateu o martelo e colocou o cantor na programação de shows da casa. Para isso, Nelson teve que superar a desconfiança do gerente do local, temerário com a fama que Tim ostentava de faltar aos shows.

Tudo foi feito do jeito que Tim Maia gostava, incluindo o pagamento de metade do cachê dois dias antes do show. Acontece que para chegar na casa, ele tinha que usar o bondinho e Tim morria de medo. As horas foram passando, a Vitória Régia já tocava no palco, e nada de Tim. Foi quando Nelson Motta ligou para a estação de bondinho e pediu para falar com o cantor. “Pelo amor de Deus, Tim, pela nossa amizade, pelos nossos filhos, se você não estiver aqui em três minutos o povo vai quebrar tudo, vão destruir a casa”. Tim atendeu ao pedido, mas antes ainda deu outro susto em Nelson. “Nelson Motta, como você é meu amigo, eu vou fazer esse show pra você, mas vamos fazer o seguinte: como esse bondinho não vai aguentar o meu peso, em vez de subir, você manda o povo descer que eu faço o show aqui na praça”. O show acabou acontecendo dentro da casa, mesmo.

Carlos Dafé

Tim Maia e Carlos Dafé eram grandes amigos, inclusive Tim gravou várias músicas dele. Certa vez, Dafé estava passando um perrengue, pois alguns de seus shows haviam sido cancelados por conta das chuvas. Ele decidiu pedir ajuda a seu amigo gordo. Dafé chegou na hora do almoço e foi muito recebido por Tim, que logo o convidou para sentar-se à mesa. O cardápio coloca água na boca de muita gente: carne seca com abóbora. Acontece que por recomendação de uma Mãe de Santo, Dafé não estava comendo abóbora e tangerina. “Na hora de comer, eu separava carne seca para cá e abóbora par lá e o Tim só olhando e perguntando: ‘tá gostoso’? Eu respondia ‘tá bom demais’”. A recompensa veio logo em seguida quando Tim pediu que sua secretária fizesse um cheque bem gordo para Dafé. “Aí, eu nem ligava mais, comecei a comer a abóbora também”, brinca.

Raul Seixas

Imagina dois reis brasileiros discutindo: o do rock e o do soul. Isso aconteceu nos anos 70, quando Tim Maia e Raul Seixas entraram em uma discussão sobre drogas. Enquanto o síndico defendia a maconha, Raul falava sobre os benefícios da cocaína. A discussão foi encerrada com mais uma frase épica de Tim Maia. “Toma cuidado, hein magrelo. Nego cheira e fica logo com vontade de dar o c…, cocaína afrouxa o brioco, mermão”.

Comments

Comentários



publicidade